quinta-feira, 10 de julho de 2014

Cigana da Praia





Cigana que os olhos brilham as luzes de Pai Oxalá

Cigana que o sorriso transmite a força de Mamãe Iemanjá

Peço que esteja sempre a me conduzir nos caminhos do nosso Divino Oxalá e que a força para enfrentar os obstáculos da vida esteja embasada em sua fortaleza.

Minha linda Cigana da Praia, cuja magia é seu poder, peço que todos que se sintam meus inimigos sejam perdoados assim como você através do Pai me ensinou a perdoá-los…

Que o amor esteja sempre presente em minha vida e nos meus atos…

Que seja a minha executora kármica fazendo com que eu aprenda por mais que seja sofrido a ser uma pessoa melhor…

Cigana linda, linda Cigana… ensina-me a viver dentro da Lei de Deus, da Lei do amor e da fé, pois sem elas não saberei andar na grande trilha que é a vida…

Ventos que sopram do Oriente, Filha da estrela do Mar, minha Cigana, amiga fiel, sincera, leal, mas acima de tudo justa perante as Leis Cósmicas, estou entregue aos seus passos, sendo fiel assim como és comigo…

Assim sendo minha amiga, me envolva com sua luz reluzente de força para assim eu cortar o mal que possa tirar-me do caminho da espiritualidade e que eu permita que esteja sempre ao meu lado me defendendo nas encruzilhadas dessa encarnação…

Que assim seja

Mãe Kátia


(Mãe Pequena do T.E. Cruzeiro da Luz Cabana do Caboclo Rompe Mato)


terça-feira, 24 de junho de 2014

Um elogio ao amor puro


“Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro. Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo. O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão.

Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria. Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em “diálogo”. O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam “praticamente” apaixonadas.

Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do “tá bem, tudo bem”, tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, banancides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas.

Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo? O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso “dá lá um jeitinho sentimental”.

Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. é uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra.

A vida às vezes mata o amor. A “vidinha” é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha – é o nosso amor, o amor que se lhe tem.

Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a Vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.”

Texto de Miguel Esteves Cardoso 

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Santo Antônio de Pádua



No dia 13 junho, a Igreja Católica celebra o dia de Santo Antônio de Pádua, um dos santos mais populares, venerado não somente em Pádua, onde foi construída uma basílica que acolhe os restos mortais dele, mas no mundo inteiro. São estimadas pelos fiéis as imagens e estátuas que o representam com o lírio, símbolo da sua pureza, ou com o Menino Jesus nos braços, que lembram uma aparição milagrosa mencionada por algumas fontes literárias.

Santo Antônio Nasceu em Lisboa, em uma família nobre, por volta de 1195, e foi batizado com o nome de Fernando. Começou a fazer parte dos cônegos que seguiam a regra monástica de Santo Agostinho, primeiramente no mosteiro de São Vicente, em Lisboa, e depois no da Santa Cruz, em Coimbra, renomado centro cultural de Portugal. Dedicou-se com interesse e solicitude ao estudo da Bíblia e dos Padres da Igreja, adquirindo aquela ciência teológica que o fez frutificar nas atividades de ensino e na pregação.

Em Coimbra, aconteceu um fato que mudou sua vida: em 1220, foram expostas as relíquias dos primeiros cinco missionários franciscanos que haviam se dirigido a Marrocos, onde encontraram o martírio. Esse acontecimento fez nascer no jovem Fernando o desejo de imitá-los e de avançar no caminho da perfeição cristã: então, pediu para deixar os cônegos agostinianos e converter-se em frade menor. A petição foi acolhida e, tomando o nome de Antônio, também ele partiu para Marrocos. Mas a Providência divina dispôs outra coisa.

Devido a uma doença, Santo Antônio se viu obrigado a voltar à Itália e, em 1221, encontrou São Francisco. Depois disso, viveu por algum tempo totalmente escondido em um convento perto de Forlì, no norte da Itália. Convidado, casualmente, a pregar por ocasião de uma ordenação sacerdotal, Antônio mostrou estar dotado de tal ciência e eloquência, que os superiores o destinaram à pregação. Começou, assim, na Itália e na França, uma atividade apostólica que levou muitas pessoas que haviam se separado da Igreja a retomarem sua participação e engajamento na vida eclesial.

Nomeado como superior provincial dos Frades Menores da Itália Setentrional, Antônio continuou com o ministério da pregação, alternando-o com as tarefas de governo. Concluído o mandato de provincial, retirou-se para perto de Pádua, local em que já havia estado outras vezes. Depois de apenas um ano, morreu nas portas da cidade, no dia 13 de junho de 1231. Pádua, que o havia acolhido com afeto e veneração em vida, prestou-lhe sempre honra e devoção.

Nos "Sermões", Santo Antônio discorre sobre a oração como uma relação de amor, que conduz o homem a conversar com o Senhor, criando uma alegria que envolve a alma em oração. Antônio nos recorda que a oração precisa de uma atmosfera de silêncio, que não coincide com o afastamento do barulho externo, mas é experiência interior, que procura evitar as distrações provocadas pelas preocupações da alma. Para Santo Antônio, a oração se compõe de quatro atitudes indispensáveis que, no latim, definem-se como: obsecratio, oratio, postulatio, gratiarum actio. Poderíamos traduzi-las assim: abrir com confiança o próprio coração a Deus, conversar afetuosamente com Ele, apresentar-lhe as próprias necessidades, louvá-lo e agradecer-lhe.

(Extraído e adaptado da Catequese do Papa Bento XVI no dia 10 de fevereiro de 2010)





Conheça os símbolos da imagem de Santo Antônio

O Lírio de Santo Antônio

O lírio na imagem de Santo Antônio representa sua castidade e pureza de coração. Simboliza também a estação do ano na qual o santo morreu, o verão no hemisfério norte.


O Menino Jesus com Santo Antônio

No colo de Santo Antônio: representa a extraordinária intimidade do santo com Jesus. Em algumas representações o menino acaricia-lhe o rosto. Todo o dom da pregação de Santo Antônio vem da sua intimidade com Jesus na oração profunda e na Eucaristia. Daí vinha toda a sabedoria e os dons que se manifestavam em Santo Antônio.


O cordão de Santo Antônio

O cordão na Imagem de Santo Antônio representa seus votos perpétuos. O cordão faz parte do hábito franciscano. É um cinto de corda que contém três nós. Estes nós simbolizam os votos de obediência, pobreza e castidade, que todo religioso franciscano professa quando faz os votos perpétuos


A tonsura de Santo Antônio


O cabelo raspado no centro da cabeça se chama tonsura e representa o voto de castidade de santo Antônio. A tonsura era uma cerimônia religiosa, na qual o Bispo raspava o cabelo de quem estava sendo ordenado no primeiro grau da Ordem. A tonsura tinha também o significado de renuncia das vaidades e ser como o Cristo, sendo coroado rei que se oferece a serviço de todos


O Terço de Santo Antônio

O Terço na imagem de Santo Antônio representa sua entrega e devoção à Mãe de Deus. Santo Antônio começou a ser representado com o Terço na cintura, no século XVI, para mostrar que ele era homem de oração. O terço também fazia parte do hábito franciscano. - 
(Fonte: Arautos do Evangelho)


Santo casamenteiro

Assim é invocado pelas pessoas que desejam se casar e lembrado pelo nosso folclore. Não se sabe qual a origem dessa devoção. Talvez esteja ligada a algum milagre feito pelo santo em favor das mulheres, por exemplo, quando fez um recém-nascido falar para defender a mãe acusada injustamente de infidelidade pelo pai.

Mas há outro episódio com explicação mais direta. Certa senhora, no desespero da miséria a que fora reduzida, decidiu valer-se da filha, prostituindo-a, para sair do atoleiro. Mas a jovem, bonita e decidida, não aceitou de forma alguma. Como a mãe não parava de insistir, a moça resolveu recorrer à ajuda de Santo Antônio. Rezava com grande confiança e muitas lágrimas diante da imagem quando, das mãos do Santo, caiu um bilhete que foi parar nas mãos da moça. Estava endereçado a um comerciante da cidade e dizia: "Senhor N..., queira obsequiar esta jovem que lhe entrega este bilhete com tantas moedas de prata quanto o peso do mesmo papel. Deus o guarde! Assinado: Antônio".

A jovem não duvidou e correu com o bilhete na mão à loja do comerciante. Este achou graça. Mas, vendo a atitude modesta e digna da moça, colocou o bilhete num dos pratos da balança e no outro deixou cair uma moedinha de prata. O bilhete pesava mais! Intrigado e sem entender o que se passava, o comerciante foi colocando mais uma moeda e outras mais, só conseguindo equilibrar os pratos da balança quando as moedas chegaram a somar 400 escudos. O episódio tornou-se logo conhecido e a moça começou a ser procurada por bons rapazes propondo-lhe casamento, o que não tardou a acontecer, e o casamento foi muito feliz. Daí por diante, as moças começaram a recorrer a Santo Antônio sempre que se tratava de casamento.
Santo das coisas perdidas

Esta tradição é antiquíssima, encontrando-se menção dela no famoso responsório "Si quaeris miracula", extraído do ofício rimado de Juliano de Espira. Popularmente, o "Siquaeris" é mencionado como uma oração para encontrar objetos perdidos. A crença pode estar ligada a episódios da vida de Santo Antônio como este: Quando ensinava teologia aos frades em Montpeilier, na França, um noviço fugiu da Ordem levando consigo o Saltério de Frei Antônio, com preciosas anotações pessoais que utilizava nas suas lições. Antônio rezou pedindo a Deus para dar jeito de reaver o livro e foi atendido deste modo: enquanto o fugitivo ia passando por uma ponte, foi subitamente tomado pelo pavor, parecendo-lhe ver o demônio na sua frente que o intimava: "Ou você devolve o Saltério ao Frei Antônio ou vou jogá-lo da ponte para o rio!" Assustado e arrependido, o jovem voltou ao convento com o saltério e confessou ao santo a culpa.

O "pão dos pobres"

Essa prática consiste em doações para prover de pão os pobres, honrando assim o "protetor dos pobres" que é Santo Antônio. Uma tradição liga essa obra ao episódio de uma mãe cujo filho se afogou dentro de um tanque, mas recuperou a vida graças a Santo Antônio. A mulher prometera que, se o filho recuperasse a vida, daria uma porção de trigo igual ao peso do menino. Por isso, no começo, esta obra foi conhecida como a obra do "pondus pueri" (peso do menino). Outra tradição relaciona a obra do pão dos pobres com uma senhora de Tbulon, chamada Luísa Bouffier. A porta do seu armazém tinha enguiçado de tal modo que não havia outro remédio senão arrombar a porta. Fez, então, uma promessa ao santo: se conseguisse abrir a porta sem arrombá-la, doaria aos pobres uma quantia de pães. E deu certo. Daí por diante, as petições ao santo foram se multiplicando em diferentes necessidades. Toda vez que alguém era atendido, oferecia certa quantia de dinheiro para o pão dos pobres. A pequena mercearia de Luísa Bouffier tornou-se uma espécie de oratório ou centro social. A benéfica obra do "pão dos pobres" teve extraordinário desenvolvimento, com diferentes modalidades, e hoje é conhecida em toda parte.

Trezena

É uma "novena" de 13 dias, lembrando a data da morte de Santo Antônio. Também se lembra o dia 13 de cada mês, porque "dia 13 não é dia de azar, é dia de Santo Antônio". Outros lembram Santo Antônio nas quartas-feiras, dia em que foi sepultado.

(Extraído e adaptado dos Cadernos Franciscanos, "Santo Antônio e a devoção Popular", de Frei Adelino Pilonetto, Ofmcap).

sábado, 24 de maio de 2014

Santa Sara



SANTA SARA



O seu nome, tal como o de Sara no Antigo Testamento, pode ser um nome hebraico que indica uma mulher de alta sociedade, que algumas vezes é traduzido como “princesa” e outras “senhora”. Já o epíteto Kali deve significar "negra", da língua indiana sânscrito, pela sua tez ser escura. Seu culto se liga ao das Virgens Negras.

As lendas a identificam como a serva de uma das três mulheres de nome Maria que estavam presentes à crucificação de Jesus.

Algumas falam que ela seria serva e parteira auxiliar de Maria, e que Jesus, por esta te-lo trazido ao mundo, teria uma alta estima por ela. Outras, que era serva de Maria Madalena. Seu centro de culto é a cidade de Saintes-Maries-de-la-Mer, na França, onde ela teria chegado junto com Maria Jacobina, irmã de Maria, mãe de Jesus, Maria Salomé, mãe dos apóstolos Tiago e João, Maria Madalena, Marta, Lázaro e Maxíminio. Eles teriam sido jogados no mar em um barco sem remos nem provisões, e Sara teria rezado e prometido que se chegassem a salvo em algum lugar ela passaria o resto de seus dias com a cabeça coberta por um lenço. Eles depois disso chegaram a Saintes-Maries, onde algumas lendas dizem, foram amparadas por um grupo de ciganos.

A imagem de Santa Sara fica na cripta da igreja de Saint Michel, onde estariam depositados seus ossos.

Fontes variam: se sua canonização consta de 1712, ou se é uma santa regional. Sua festa é celebrada nos dias 24 e 25 de maio, reunindo ciganos de todo o mundo.

Sua imagem é coberta de lenços, sendo ela uma protetora da maternidade. Mulheres (romi) que não conseguem engravidar e mulheres que pedem por um bom parto, ao terem seus pedidos atendidos, depositam aos seus pés um lenço (diklô). Centenas de lenços se acumulam aos seus pés.

As pessoas fazem todo tipo de pedido para Santa Sara, por sua fama de atender todos os que depositam verdadeira fé nela. Santa Sara é a santa dos desesperados, dos ofendidos e dos desamparados.

sábado, 10 de maio de 2014

Carta de Deus



Oi filha, como você está hoje? Eu vi que você chorou muito essa noite, seu travesseiro ficou encharcado minha pequena, você não merece isso. Eu me preocupo com você, Eu me importo tanto contigo minha menina, você é tão valiosa pra mim.

Eu sei que o momento está difícil, sei que parece que tudo está desmoronando ai dentro de você, sei que a dor é muito grande e que te deixa sem chão, mas quero te dizer que se você não tiver mais forças para ficar em pé, Eu vou te segurar no colo.

Eu tenho ouvido você pedir todas as noites para te abraçar, para ficar com você e te ajudar, e estou fazendo isso, te abraço, te protejo até que você durma, e quando você acorda, já preparei um dia lindo para você lá fora. Eu sei que você tem uma aliança de amor comigo, que você me honra, e Eu também te honrarei, tenho preparado coisas tão lindas, tão grandes pra você, e mesmo você sendo tão sonhadora, não consegue imaginar o quão lindas são, ah filhinha, amo ver você cantar, amo você quando você me adora, Eu olho para você sorrio, vejo o quanto você é perfeita, o quanto cada detalhe seu ficou lindo.

Continua firme minha princesa, levanta sua cabeça, estou contigo e existe um futuro lindo e cheio de paz para você, se pareço estar em silencio é porque eu estou trabalhando, lembre-se que em uma prova o professor sempre fica em quieto.

Mais uma coisa meu bem, perdoe, perdoe como Eu perdoei, também fui traído, sei como dói, mas seu coração é tão lindo, não deixe que tenha espaço para sentimentos ruins, abençoe a vida de quem te fez mal, profetiza sobre a vida de quem te enganou, vamos, você consegue, você é forte, você é diferente, você guerreira, você é luz dentro dessa escuridão.

Muitas pessoas vão se achegar a mim através da sua vida, pessoas vão ser curadas, mudadas, restauradas e transformadas, você vai alcançar lugares que você nem pode imaginar, mas para isso você precisa continuar. FILHA, sorri para mim? Uma filha doce como você, merece um amor doce como o meu, vamos lá, cabeça erguida, você consegue princesa.
Com amor, seu Pai e amigo, Jesus

O ESPELHO…….Uma história de Amor



Renato quase não viu a senhora, com o carro parado no acostamento. Chovia forte e já era noite. Mas percebeu que ela precisava de ajuda…

…Assim parou seu carro e se aproximou. O carro dela cheirava a tinta, de tão novinho. A senhora pensou que pudesse ser um bandido? Ele não parecia seguro, parecia pobre e faminto…

…Renato percebeu que ela estava com muito medo e disse: “Eu estou aqui para ajudar madame, não se preocupe. Por que não espera no carro onde está quentinho? A propósito, meu nome é Renato”…

…Bem, tudo que ela tinha era um pneu furado, mas para uma senhora de idade avançada era ruim o bastante. Renato abaixou-se, colocou o macaco e levantou o carro. Logo ele já estava trocando o pneu. Mas ficou um tanto sujo e ainda feriu uma das mãos…

…Enquanto apertava as porcas da roda ela abriu a janela e começou a conversar com ele. Contou que era de São Paulo e que só estava de passagem por ali e que não sabia como agradecer pela preciosa ajuda. Renato apenas sorriu enquanto se levantava…

…Ela perguntou quanto devia. Já tinha imaginado todos as terríveis coisas que poderiam ter acontecido se Renato não tivesse parado e ajudado. Renato não pensava em dinheiro, Gostava de ajudar as pessoas…

…Este era seu modo de viver. E respondeu: “Se realmente quiser me pagar, da próxima vez que encontrar alguém que precise de ajuda, dê para aquela pessoa a ajuda de que ela precisar e lembre-se de mim”…

…Alguns quilômetros depois a senhora em um pequeno restaurante simples, a garçonete veio até ela e trouxe-lhe uma toalha limpa para secar o cabelo molhado e lhe dirigiu um doce sorriso…

…A senhora notou que a garçonete estava com quase oito meses de gravidez, mas ela não deixou a tensão e as dores mudarem a sua atitude…

…A senhora ficou curiosa em saber como alguém que tinha tão pouco, podia tratar tão bem a um estranho. Então se lembrou de Renato. Depois que terminou a sua refeição, e enquanto a garçonete buscava troco, a senhora se retirou…

…Quando a garçonete voltou queria saber onde a senhora poderia ter ido quando notou algo escrito no guardanapo, sob o qual tinha 4 notas de R$ 100,00…

…Correram lágrimas em seus olhos quando leu o que a senhora escreveu. Dizia:

- Você não me deve nada, eu já tenho o bastante. Alguém me ajudou hoje e da mesma forma estou lhe ajudando. Se você realmente quiser me reembolsar por este dinheiro, não deixe este círculo de amor terminar com você, ajude alguém…

…Aquela noite, quando foi para casa cansada e deitou-se na cama, seu marido já estava dormindo e ela ficou pensando no dinheiro e no que a senhora deixou escrito…

…Como pôde aquela senhora saber o quanto ela e o marido precisavam disto? Com o bebê que estava para nascer no próximo mês, como estava difícil…

…Ficou pensando na bênção que havia recebido, deu um grande sorriso…

…Agradeceu a Deus e virou-se para o preocupado marido que dormia ao lado, deu-lhe um beijo macio e sussurrou:

Tudo ficará bem; eu te amo…
…Renato!

Pense nisso, e se você quiser me pagar por esta mensagem, retransmita-o aos seus amigos e não deixe o circulo do amor morrer com você….

A VIDA É ASSIM… UM ESPELHO.. TUDO QUE VOCÊ TRANSMITE VOLTA PRA VOCÊ!!

(Autor Desconhecido)

ORAÇÃO AOS PRETOS VELHOS




No mês de Maio, comemora-se o dia dos Pretos Velhos, nossas queridas entidades de Umbanda, sinônimo de humildade, sabedoria e, acima de tudo, de uma vida sofrida que tiveram em suas passagens na Terra, no cativeiro em senzalas, onde o negro era visto e tido apenas como mais um animal acorrentado, não podendo, na maioria das vezes, ter uma vida em família e sendo impedido de praticar seus costumes e sua religião. No dia 13 de Maio, é também celebrado o dia em que as correntes que aprisionam o negro brasileiro se partem: dá-se a Liberdade através da abolição da Escravatura, com a assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel.
Pois bem, esta introdução falando do Negro Brasileiro e da Lei Áurea lembra-nos o porquê de existir a
figura do Preto-velho em nossa Umbanda ou do negro escravo em solo brasileiro, que, apesar de
acorrentado durante mais de 300 anos no Brasil, lutou sempre, não deixando morrer seus costumes e cultura,
tendo mantido suas origens no que diz respeito à sua religião! Adaptou-se, lutou por sua liberdade e
contra a tirania do homem branco e não perdeu a esperança!
Hoje o Preto-Velho desce nos terreiros e templos de Umbanda, na sua divina sabedoria, nos ensinando
a termos paciência, a não desistirmos, mostrando que não é tão difícil, que devemos lutar pelos nossos ideais, termos força e esperança gravadas na alma, mas acima de tudo, nos ensinando que devemos quebrar as nossas próprias
correntes e aceitarmos a nossa liberdade e não esperar que venha uma princesa Isabel assinar uma Lei que nos dê a LIBERDADE E A VONTADE DE ESCOLHER! Negro velho diz: “Isso vocês já possuem”!
Por isso, meus irmãos, quebrem as vossas correntes, vivam e sejam felizes com vossas escolhas!
Salve a sabedoria dos Pretos Velhos e Adorei as Almas!

Pai Cláudio 
Sacerdote de Umbanda | ATUPO -Templo de Umbanda Pai Oxalá

Particularmente, tenho um carinho todo especial por essas entidades na qual me ensinam o valor do amor, da vida e o respeito ao próxima em cada gira que vou. Sempre saio com uma mensagem diferente que fica guardada principalmente em meu coração e que muitas vezes já repassei a pessoas que precisavam de uma palavra de carinho e consolo em momentos difíceis. Eles me transmitem além de sabedoria, muita paz e um carinho único em cada toque, em cada olhar, em toda a ternura em cada palavra que eles nos falam. Acredito muito na força que eles tem então nada melhor do que homenageá-los e recebermos seu AXÉ com uma linda oração de proteção...

Fiquem na paz de Oxalá e na proteção dos nossos amáveis Vôzinhos e Vózinhas ♥





Preto Velho
Carreteiro de Oxalá
Bastão bendito de Zambi
Mensageiro de Obatalá

Meu pensamento eleva-se ao teu espírito e peço Agô.

Que tuas guias sejam o farol que norteie minha vida.

Que vossa pemba trace o caminho certo para todos os meus actos.

Que vossas palavras, tão cheias de compreensão e bondade, iluminem minha mente e meu coração.


Que teu cajado me ampare em meus tropeços.

Ontem te curvastes aos senhores...

Hoje, ajoelho-me aos teus pés pedindo que intercedas junto a Oxalá por mim e por todos que neste momento clamam por vós.

Maleme e paz sobre meu lar e que a luz divina de Obatalá se estenda pelo mundo.

E que o grito de todos os orixás sejam o sinal de vitória sobre todas as demandas de minha vida.

Maleme as almas.

Maleme para todos os meus inimigos, para que saiam do negrume da vingança.

E encontrem fonte fecunda e clara do amor e caridade.

domingo, 20 de abril de 2014

FELIZ PÁSCOA



Páscoa ou Domingo da Ressurreição é um festival e um feriado que celebra a ressurreição de Jesus ocorrida três dias depois da sua crucificação no Calvário, conforme o relato do Novo Testamento . É a principal celebração do ano litúrgico cristão e também a mais antiga e importante festa cristã. O domingo de Páscoa marca o ápice da Paixão de Cristo e é precedido pela Quaresma, uma período de quarenta dias de jejuns, orações e penitências entre a quarta-feira de cinzas(após o carnaval) e o domingo de Páscoa.

A Páscoa significa "passagem" e a festa da Páscoa traz três ações de Deus na nossa vida com sua ressurreição: realiza-se a grande e secreta esperança da humanidade; um povo de homens livres caminha para a vida e o homem novo segundo o plano de Deus.

Hoje, ressuscitar com Cristo requer de cada um de nós uma adesão comprometida com a vida nova no Ressuscitado. Não basta viver somente uma bela celebração mas viver a fé concreta...

A todos vocês, que durante todo o ano me fazem reencontrar o significado de viver, apesar das múltiplas dores e dificuldades às quais a vida nos sujeita em suas rotineiras "paixões", e cujas presenças e amizade são sempre motivo de ressurreições de sentimentos puros, confortantes e iluminados.

Que não restem desse Domingo apenas inumeráveis embalagens de bombons e ovos de chocolate pela casa, mas a lição da alegria inocente das crianças; não apenas espinhas de peixe, pratos vazios, restos de fartura, mas a FÉ, que alimenta a alma; não apenas garrafas de vinhos intermináveis, mas a embriaguez da alegria de viver, não apenas a casa desarrumada, mas a alma pacificada pelo perdão, pelo conforto da família e dos amigos, pela certeza de que vale a pena continuar, ressuscitar das dores, acreditar na misericórdia do Pai que, na sua maneira inexplicável de responder às nossas preces, quer apenas que sejamos humanos.

FELIZ PÁSCOA!

Abaixo segue um vídeo muito fofo que recebi de uma grande amiga e que gostaria de compartilhar com todos vocês. Um vídeo feito por crianças e nada neste mundo é mais puro do que a inocência as nossas crianças!

Espero que gostem♥


video

sábado, 19 de abril de 2014

19 de Abril, dia de Santo Expedito...





Mártir de Metilene, é pouco conhecido dos historiadores, mas sua existência é certa.
Santo Expedito, segundo a tradição, era armênio, não se conhecendo o lugar de seu nascimento, mas parece provável que seja Metilene, localidade onde sofreu seu martírio.
A Armênia é uma região da Ásia Ocidental, situada ao Sul do Cálcaso, entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, nas margens dos Rios Tigre e Eufrates. 
Essa região foi sempre considerada uma terra de predileção. Aliás, pelo testemunho da Sagrada Escritura, foi sobre as montanhas armênias do Ararat que a Arca de Noé pousou quando as águas do dilúvio baixaram (Gênesis, 8.5).A Armênia foi uma das primeiras regiões a receber a pregação dos apóstolos Judas Tadeu, Simão e Batolomeu, mas também local de inúmeras perseguições aos cristãos. Essa região foi regada com o sangue de muitos mártires, entre eles Santo Expedito.
Sua cidade natal (com toda probabilidade) não passa hoje de uma pequena localidade chamada Melatia, cidade construída no século II pelo imperador romano Trajano.
A partir de Marco Antonio, tornou-se residência da 12ª Legião, conhecida como "Fulminante", cuja missão era defender o império romano dos bárbaros asiáticos. Hoje Metilene é uma cidade mística e simples, onde sua população vive em calma, longe das agitações políticas.
Além de Santo Expedito, que foi levado à morte a 19 de Abril de 303, sob o poder de Deocleciano, lá veneram-se outros Santos mártires, entre eles: São Polieucto, outro oficial do exército romano que foi martirizado no século III.
Deocleciano subiu ao trono de Roma em 284. Por seu ambiente e por seu caráter, parecia oferecer aos cristãos garantias de benevolência, pois havia em seu palácio a liberdade de religião, sendo, inclusive, sua esposa Prisca e sua filha Valéria, cristãs, ou ao menos, catecumenas.
Sob influências de Galero, seu genro, pagão convicto, determinou a perseguição dos cristãos, ordenando a destruição de igrejas e livros sagrados, a cessação das assembléias cristãs e a abjuração de todos os cristãos. Galero, sempre incitado por sua mãe, também pagã, queria abolir para sempre o Cristianismo e através de insinuações maldosas e hábeis calúnias, fez crer a Deocleciano, que o cristianismo conspirava de várias formas contra a augusta pessoa do imperador.
Deocleciano, então, empreendeu a exterminação sistemática dos cristãos, envolvendo, inclusive, os membros de sua própria família e os servidores de seu palácio. Foi uma hecatombe sangrenta: oficiais, magistrados, o bispo da Nicomédia (Antino), padres, diáconos, simples fiéis foram assassinados ou afogados em massa.
Somente em 324, com a retomada da autoridade do imperador cristão Constantino, foi que tiveram fim as terríveis perseguições que durante três séculos tinham ensanguentado a Igreja.

O Guerreiro

Voltando à história de Santo Expedito, a tradição refere-se que ele era chefe da 12ª Legião Romana, cognominada "Fulminante", estabelecida em Metilene, sede de uma das províncias romanas da Armênia. "Fulminante" lhe havia sido dado em memória de uma façanha que se tornou célebre.
Durante uma campanha da Germânia, na região dos Quades, no nordeste da Hungria atual, o imperador Marco Aurélio foi cercado pelos bárbaros, ficando sem água e provimentos. Marco Aurélio orou como lhe ensinava sua filosofia e fez com que fossem feitos encantamentos pelos mágicos, companheiros indispensáveis, à época, dos exércitos.
A 12ª Legião, recrutada no Distrito de Metilene, na Capadócia, formada em grande parte por soldados cristãos, reuniram seus soldados fora do campo, onde ajoelharam-se e oraram ao verdadeiro Deus
Esses milhares de homens em oraçào e com os braços abertos formaram um espetáculo tão estranho que os inimigos pararam surpresos. Uma chuva abundante se pôs a cair, foi quando os soldados romanos saciaram sua sede e fizeram o inimigo recuar. Depois, caíram raios e granizos sob os bárbaros, com tal violência, que os mesmos debandaram em pânico.
Como se vê, Santo Expedito estava à testa de uma das mais gloriosas legiões, composta, em grande parte, por soldados cristãos.

O Soldado Cristão

Mas a história que documenta as façanhas desta legião, infelizmente, é bastante sóbria em detalhes da vida de seus chefes. Ela nada nos diz sobre Santo Expedito.
Podemos supor que ele distinguiu seu comando pelas virtudes de cristão e de chefe ligados à sua religião, à seu dever, à ordem e à disciplina, dando, em todas as circunstâncias, o exemplo das mais belas virtudes.
O ardor bastante conhecido do generoso soldado Expedito e sua situação de chefe de legião, chamou a atenção de Deocleciano, quando as perseguições começaram em Metilene. Entre muitos que já haviam pago com a vida estavam: Maurício, outro chefe de legião, Marcelo, centurião romano e Sebastião, tribuno da guarda pretoriana, hoje conhecido como São Sebastião. Sendo assim, Expedito e seus companheiros de armas, cheios de admiração pelo capitão Sebastião, deveriam ter prometido imitar sua conduta, devendo crer, inclusive, que teriam que sofrer a mesma sorte, quando das perseguições cristãs, enfrentando a morte a ter que renunciar sua fé.

Martírio e morte

Nada se sabe sobre as circunstâncias que acompanharam os últimos instantes de Santo Expedito.
Podemos supor que ele também foi sacrificado por recursos do império. Sabe-se que era concedido ao cidadão romano o privilégio de somente perecer pela espada. São Paulo, por ser cidadão romano, foi beneficiado por essa lei e teve a cabeça cortada, já São Pedro, que era judeu, foi crucificado. Quando se tratava de um soldado do exército romano, antes da decapitação, ele deveria sofrer o suplício da flagelação.
Assim também ocorreu com Santo Expedito, depois de ser flagelado até derramar sangue, teve a cabeça decepada. Era o dia 13, das calendas de Maio, isto é, 19 de Abril de 303. Assim afirmam os martinólogos da época.
Outros cristãos pereceram com ele do mesmo modo, supondo-se serem seus companheiros de armas. São os mártires: Hermógenes, Caio, Aristônio, Rufo e Gálatas.
Nada mais podemos adiantar sobre o martírio de Santo Expedito, pois a história silencia a esse respeito.
Pouco importa. A única conclusão é que Santo Expedito, chefe da 12ª Legião, era seguramente uma alma de fé muito grande, pois preferiu perder sua situação e até sua vida a renunciar à sua religião.
Não se sabe o que foi feito do corpo do heróico mártir. Piedosas mãos devem tê-lo sepultado em local hoje desconhecido.
Sua lembrança, ao contrário, ficou guardada na memória dos cristãos e os primeiros escritores eclesiásticos puderam escrever seu nome entre os que tinham derramado seu sangue pela fé.

O culto a Santo Expedito e seus símbolos

Seu culto se estabeleceu em sua pátria, transpondo o Oriente e passou para a Alemanha meridional. De lá se espalhou pela Itália, sobretudo na Sicília, na Espanha e difundiu-se pela França e Bélgica.
Em várias igrejas do mundo apresentam-se estátuas representando Santo Expedito, com traje legionário, vestindo uma túnica curta e um manto jogado militarmente atrás das espáduas, tendo postura marcial. Em uma mão segura uma palma e na outra uma cruz.
Sua atitude é de um homem pronto para a ação. É nesta postura, cheia de entusiasmo e generosidade, que os fiéis viram o defensor e patrono das "Causas Urgentes".
A piedade popular, sempre confiante, tem dessas invenções, que não se podem censurar. Dentre as porções de insígnias simbólicas que a Idade Média adotou à estátua, o Santo, ainda hoje, calca com seu pé um corvo que se consome a lançar seu grito habitual: "Crás" (palavra latina que siginifica "Amanhã"). Mas "Crás" denota a dilatação, o deixar para o dia seguinte ou mais tarde, tudo o que se deve cumprir imediatamente.
Assim, Santo Expedito, esmagando a ave fatalmente, lhe responde com a cruz que segura na mão direita e que leva uma única palavra: "Hodie!" (que significa: "Hoje"), exprimindo, assim, sua vontade de lançar fora qualquer retardamento ou hesitação no cumprimento da tentação, que como sugere, adiar para o dia seguinte.
A piedade popular vê neste símbolo, a prontidão com que Santo Expedito quer acolher as preces dos fiéis que recorrem a sua intercessão, daí ser título de patrono das "Causas Urgentes".

O nome de Santo Expedito

Todos os historiadores estão de acordo na fixação da época e local em que Santo Expedito morreu pela fé. Mas tal não acontece quando se trata de seu nome e da significação que convém dar-lhe.
Aliás pode-se indagar se trata-se de um nome propriamente dito ou de um apelido ligado, seja à sua pessoa, ou mesmo a toda a legião de que era o chefe.
As opiniões diferem. Primeiramente é conveniente ressaltar que havia no exército romano duas espécies de soldados: o "expeditus" e o "impeditus".
O "expeditus" era assim chamado porque tinha um armamento leve e desembaraçado de toda a carga de que era encarregado o "impeditus". Toda uma parte da milícia (os "expediti"), levemente equipada, podia à primeira ordem, entregar-se à defesa do território.
Os "expediti" formavam, assim, um corpo inteiro ao qual teria pertencido Santo expedito. Uma pura coincidência teria favorecido o relacionamento do nome do Santo com o das tropas que ele comandava. Neste caso, "Expeditus" ter-se-ia em seguida tornado um nome próprio. É uma primeira interpretação.
Mas a opinião mais difundida e que repousa sobre outros casos semelhantes, freqüentes em todas as regiões e em todas as línguas, acha que "Expedito" ter-se-ia tornado o nome do Santo, porque lhe teria sido dado como apelido exprimindo perfeitamente o traço dominante de seu caráter: a presteza e a prontidão com que agia e se portava então no cumprimento de seu dever de estado e, também, na defesa da religião que professava. Era assim que os romanos davam freqüentemente a certas pessoas um apelido, que designava quer um traço de seus caráter ("Felix": Feliz; "Constans": Constante), quer o lugar que ocupavam entre os filhos de uma mesma família ("Primus": Primeiro; "Sextus": Sexto; "Octavus": Oitavo); até a cor de seus cabelos ("Rufus": Ruivo; "Niger": Negro) etc. Este apelido acabava por designá-los nominalmente, do mesmo modo que em português temos sobrenomes como: Russo, Negro, Branco, Castanho, Grande, Pequeno e até Raposo, Coelho, Leitão, etc.)
Este nome, qualquer que seja a origem de sua significação, é suficiente para fazer reconhecê-lo. O nome condiz, em todo o caso, com a generosidade e com o ardor de seu caráter, que fizeram dele um mártir.
Seguramente Santo Expedito é um Santo que podemos invocar com toda confiança nos "casos urgentes", sendo numerosas as graças obtidas por intercessão nessas circunstâncias.
Mas não devemos esquecer que o melhor culto que podemos tributar-lhe não é somente invocá-lo nos "casos urgentes", e sim imitá-lo na prática generosa da virtude e do cumprimento fiel de todas os deveres do nosso estado.
Fonte: www.angelfire.com

quarta-feira, 12 de março de 2014

Minimamente FELIZ


A felicidade é a soma das pequenas felicidades. Li essa frase num outdoor em Paris e soube, naquele momento, que meu conceito de felicidade tinha acabado de mudar. Eu já suspeitava que a felicidade com letras maiúsculas não existia, mas dava a ela o benefício da dúvida. Afinal, desde que nos entendemos por gente aprendemos a sonhar com essa felicidade no superlativo. Mas ali, vendo aquele outdoor estrategicamente colocado no meio do meu caminho (que de certa forma coincidia com o meio da minha trajetória de vida), tive certeza de que a felicidade, ao contrário do que nos ensinaram os contos de fadas e os filmes de Hollywood, não é um estado mágico e duradouro.

Na vida real, o que existe é uma felicidade homeopática, distribuída em conta-gotas. Um pôr-de-sol aqui, um beijo ali, uma xícara de café recém-coado, um livro que a gente não consegue fechar, um homem que nos faz sonhar, uma amiga que nos faz rir. São situações e momentos que vamos empilhando com o cuidado e a delicadeza que merecem alegrias de pequeno e médio porte e até grandes (ainda que fugazes) alegrias.

Eu contabilizo tudo de bom que me aparece, sou adepta da felicidade homeopática. Se o zíper daquele vestido que eu adoro volta a fechar (ufa!) ou se pego um congestionamento muito menor do que eu esperava, tenho consciência de que são momentos de felicidade e vivo cada segundo.

Alguns crescem esperando a felicidade com maiúsculas e na primeira pessoa do plural: Eu me imaginava sempre com um homem lindo do lado, dizendo que me amava e me levando pra lugares mágicos. Agora, se descobre que dá pra ser feliz no singular: 'Quando estou na estrada dirigindo e ouvindo as músicas que eu amo, é um momento de pura felicidade. Olho a paisagem, canto, sinto um bem-estar indescritível.

Uma empresária que conheci recentemente me contou que estava falando e rindo sozinha quando o marido chegou em casa. Assustado, ele perguntou com quem ela estava conversando: 'Comigo mesma', respondeu. 'Adoro conversar com pessoas inteligentes'. Criada para viver grandes momentos, grandes amores e aquela felicidade dos filmes, a empresária trocou os roteiros fantasiosos por prazeres mais simples e aprendeu duas lições básicas: que podemos viver momentos ótimos mesmo não estando acompanhadas e que não tem sentido esperar até que um fato mágico nos faça felizes.

Esperar para ser feliz, aliás, é um esporte que abandonei há tempos.

E faz parte da minha 'dieta de felicidade' o uso moderadíssimo da palavra 'quando'. Aquela história de 'quando eu ganhar na Mega Sena', 'quando eu me casar', 'quando tiver filhos', 'quando meus filhos crescerem', 'quando eu tiver um emprego fabuloso' ou 'quando encontrar um homem que me mereça', tudo isso serve apenas para nos distrair e nos fazer esquecer da felicidade de hoje. Esperar o príncipe encantado, por exemplo, tem coisa mais sem sentido? Mesmo porque quase sempre os súditos são mais interessantes do que os príncipes; ou você acha que a Camilla Parker-Bowles está mais bem servida do que a Victoria Beckham?

Como tantos já disseram tantas vezes, aproveitem o momento, amigos. E quem for ruim de contas recorra à calculadora para ir somando as pequenas felicidades.

Podem até dizer que nos falta ambição, que essa soma de pequenas alegrias é uma operação matemática muito modesta para os nossos tempos. Que digam. Melhor ser minimamente feliz várias vezes por dia do que viver eternamente em compasso de espera.


Leila Ferreira, jornalista.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Festa do Nosso Senhor do Bonfim é reconhecida como Patrimônio Imaterial do Brasil


Em 5 de julho de 2013 o Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural da Bahia aprovou a Festa do Nosso Senhor do Bonfim como Patrimônio Cultural Brasileiro. A Festa, que acontece em Salvador desde 1745, tornou-se ontem, dia 15/01/2014 Patrimônio Imaterial Nacional.

A celebração é considerada uma das mais simbólicas no estado e um dos maiores símbolos do sincretismo religioso da Bahia:porque junta duas religiosas distintas – a católica e a afro-brasileira

Esta cerimônia acontece na segunda quinta feira após o dia de Reis. Um imenso cortejo de devotos percorre dez quilômetros de Salvador, partindo do Largo da Conceição até o Largo do Bonfim. Baianas vestidas a caráter trazem moringas e potes cheios de água perfumada para a lavagem simbólica das escadarias da Igreja de Nosso Senhor do Bonfim.

As baianas despejam seus vasos com água de cheiro no adro da igreja e sobre as cabeças dos fiéis, num ritual de fé e esperança.


Independente da religião, a lavagem do Bonfim reúne todos os anos milhões de pessoas de diferentes lugares, cor, religiões e classe sociais que caminham 8 quilômetros em nome da Fé. Segundo a tradição, os fiéis acompanham o cortejo vestidos de branco, a cor de Oxalá, a principal divindade do Candomblé e que é associada a Nosso Senhor do Bonfim. As Baianas (devidamente trajadas), entoam cânticos e hinos religiosos, embalados ao som das batucadas e carros de som.

                                                                                                                                  Fonte: Agência Brasil



“Dessa sagrada colina / mansão da misericórdia / dai-nos a graça divina / da justiça e da concórdia”.(Hino do Nosso Senhor do Bonfim)




domingo, 5 de janeiro de 2014

Com calma e paciência, de repente tudo acontece






Você se julga uma pessoa paciente?
Não tenha pressa de responder, mas ouça atentamente a historieta que vamos contar.

Um homem estava passando por uma séria dificuldade financeira.
Já há algum tempo andava desempregado e, devido a sua idade, estava sendo muito difícil arranjar um emprego.
Há dias que não fazia uma refeição decente e o desânimo havia tomado conta de sua vontade, por isso perambulava, agora, pelas ruas, sem destino.
Num dado trecho do caminho, enxergou no chão o que pareceu ser uma nota de dinheiro.
Correu em direção ao papel e viu que se tratava de uma cédula de valor.
Não era muito, mas, antes de recolhê-la da calçada, olhou por todos os lados, para ver se ninguém por perto reclamava a falta do dinheiro.
Não, não havia ninguém com ar de ter perdido alguma coisa.
O homem pensou: É bom demais para ser verdade!
Apesar da quantia não ser tão expressiva, já serviria para amenizar-lhe a fome naquele dia.
Quase num sobressalto, ajuntou a nota, desamassando-a.
Porém, que decepção! A nota, na verdade era apenas a metade da cédula.
Irritado, rasgou em pedacinhos o pedaço de papel, jogando-os num bueiro.
Continuou a caminhada, amolentado, esbravejando em pensamento.
Contudo, alguns metros adiante, para surpresa sua, encontraria a mesma nota. Era a outra metade da primeira!
* * *
Os grandes problemas da impaciência são as perdas que o impaciente sofre.
A primeira delas é, obviamente, a perda da serenidade.
Sem serenidade, não temos condições de avaliar com frieza as circunstâncias que nos envolvem, de modo que possamos enxergar as saídas e soluções possíveis.
Perdendo a serenidade, perdemos também o bom senso.
Sem o bom senso, nos tornamos impotentes, ou apenas nos sentimos impotentes.
Paciência é respeito.
Respeito aos outros e a nós mesmos.
Seja paciente você também.
Você verá que é muito mais produtivo trabalharmos pacientemente do que nos irritarmos com o que não será modificado do dia para a noite.
Ademais, quem não sabe esperar, também não sabe usufruir!
* * *
Tomas Edison, o grande inventor, já estava na tentativa número seiscentos e sete para incandescer um filamento e conseguir inventar a lâmpada.
O seu assistente, cansado, insistiu para que ele desistisse.
Edison perseverou. Resultado: dessa vez, o invento alcançou êxito.
Você acaba de perceber o que a paciência pode conseguir.
A pessoa paciente é aquela que aguarda o momento certo de agir, a hora ideal para falar e o instante oportuno de calar.
Paciência não significa passividade, indolência ou subserviência.
Paciência é a atitude inteligente de quem compreende que as pessoas nem sempre são como os outros desejariam que fossem.

Via Espiritismo Kardecista

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Eu acredito nas pessoas





E é assim que termino o ultimo post do ano e inicio o novo que esta por vir...mostrando através do texto de Bruno Angellis, que ainda é possível acreditar sim na raça humana. Apesar de no dia a dia as atitudes mostrarem que estamos passando por um processo de transição muito grande, onde muitos valores estão "sendo perdidos", ainda assim é possível acreditar - E DEVEMOS ACREDITAR - que as pessoas podem sim mudar, que podemos esperar essas mudanças e que nunca devemos perder a Fé em dias melhores...

Espero que gostem do texto tanto quanto eu gostei e acreditem que o mundo esta se transformando e que muitas pessoas estão sim se conscientizando que é preciso mudar. É preciso respeitar mais...as pessoas, as opiniões alheias, as opções de cada um, a cor, a classe social e principalmente a FÉ...

Acredito muito que o AMOR é o remédio que cura todos os males da vida, por isso insisto tanto em falar desse sentimento doce, que é o melhor remédio pra alma...uma alma limpa e um coração puro...


Que 2014 seja um ano repleto de alegrias...que você não se esqueça todos os dias de celebrar a vida, celebrar como se no dia de amanhã o mundo fosse acabar, celebrar lembrando e agradecendo todos os dias as coisas boas que a vida tem pra te dar...brinde a vida, ligue quando sentir saudade, diga sempre que sentir vontade o quanto as pessoas são importantes pra você...elas nunca irão saber se você não disser

Lembre-se sempre...pensamentos leves fazem toda a diferença e SIM, acostume-se com a felicidade, ela é parte integrante dos 365 dias de sua vida em 2014

SEJA LEVE, SEJA FELIZ...

FELIZ 2014


ACREDITO NAS PESSOAS...

Especialmente naquelas em que habita algo mais que a humanidade.

Aquelas que, às vezes, a gente confunde com anjos e outras entidades divinas...

Falo daquelas pessoas que existem em nossas vidas e enchem nosso espaço com pequenas alegrias e grandes atitudes...

Daquelas que te olham nos olhos quando precisam ser verdadeiras, que tecem elogios, agradecem e pedem desculpas com a mesma simplicidade de uma criança...

Pessoas que não precisam fazer jogos para conseguir o que buscam, porque seus desejos são realizados por suas ações e reações, não por seus caprichos...

Pessoas que fazem o bem e se protegem do mal, apenas com um sorriso, uma palavra, um beijo, um abraço, uma oração...

Pessoas que atravessam as ruas, sem medo da luz que existe nelas, caminham firmes e levantam a cabeça em momentos de puro desespero...

Pessoas que erram mais do que acertam, aprendem mais do que ensinam e vivem mais do que sonham...

Pessoas que cuidam do seu corpo, porque este os acompanhará até o fim.

Não ficam julgando gordos ou magros, negros ou brancos...

Pessoas, simplesmente pessoas, que nem sempre têm certeza de tudo, mas acreditam sempre.

Transparentes, amigas, espontâneas, até mesmo ingênuas...

Prefiro acreditar em relacionamentos baseados em confiança, serenidade, humildade e sinceridade...

Prefiro acreditar naqueles encontros, que nos transmitem paz e um pouco de gratidão...

Prefiro acreditar em homens e mulheres, que reverenciam a vida com a mesma intensidade de um grande amor...
Que passam pela Terra e deixam suas marcas, suas lembranças, que deixam saudades e não apenas rastros...

Homens e mulheres que habitam o perfeito universo e a perfeita ordem nele existente...

Homens e mulheres de alma limpa e puros de coração.


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

As Sete Forças de Um Médium....




1 - O AMOR - É O Supremo criador, o poder absoluto que gerou a natureza e todas as outras coisas É a força eterna, fonte do tudo e do nada. O amor é a base de tudo, envolve a estrutura de todos os fatos no desenvolvimento.

2 - A PIEDADE - É o sentimento de devoção e de dar auxílio, ajudar, compadecer do sentimento alheio. Bondade para com o próximo, que causa para o médium um bem-estar no ato. É a força doada pelo Criador do Céu e da Terra, exemplificada na criação do Universo astral, como segunda via de evolução para voltar ás origens.

3 - A HUMILDADE - É o sentimento de simplicidade nas expressões a si mesmo; submissão á força superior; conhecimento de sua razão e respeito á do outro. Pedir com devoção conhecendo o seu valor e o da fonte superior. Conhecer o seu lugar, o seu eu, a sua missão, para seguir o seu caminho com resignação.

4 - A FÉ - É o sentimento da crença, do credito, do valor recebido, a confiança, a graça alcançada vinda de "cima", das forças superiores. É também, complemento da força da humildade.

5 - A FIRMEZA - Esta é a força adquirida pela sabedoria. O equilíbrio de forças adquirido através da pesquisa, do interesse, na busca dos conhecimentos das Leis Sagradas. Conhecendo estas Leis, terá forças para saber como agir e porque agir. É saber pagar o que deve, para receber o que merece.

6 - A SEGURANÇA - Forca adquirida pelo conhecimento da origem das coisas. Só se sente seguro em determinado lugar quem conhece profundamente este lugar. Quando estamos numa ponte, só nos sentimos seguros quando vemos as suas estrutura, suas bases, o material de que é feita, quem a fez e com que finalidade. Conhecendo a origem da ponte, então nos sentimos seguros. E nós, o que somos?, Como nos sentimos seguros de nós mesmos sem conhecer a nossa origem!

7 - A FORÇA - É o conhecimento dos rituais e da magia. A força do médium depende de seus conhecimentos da mística espiritual. Estes conhecimentos são adquiridos á medida que são merecidos e dados ou autorizados pelo Pai de Coroa (guia de frente), seja ele de uma banda ou de outra. Se o médium conhece as Leis Sagradas, ele sabe a que caminho leva uma banda ou outra, se está na banda de Luz (quem conhece a Luz, também conhece as trevas e por isso prefere a Luz), seu caminho será conduzido pela Luz. Se a força do médium é adquirida pelas trevas (quem vive nas trevas é porque não conhece a Luz), seu caminho será conduzido pelas trevas. O símbolo da forca de um médium é o próprio ponto de força de seu Pai de Coroa.




Fonte: Umbanda Sagrada & Magia Divina *Sete Pedreiras* Sacerdote Nabil

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

HUMILDADE é a palavra chave para termos um ano bom em 2014





O final de semana que passou foi de comemoração. Festa da mãe das águas, minha Mãe Iemanjá e aproveitamos para agradecer pelo ano que esta indo e pedimos AXÉ para o ano que vai chegar.
2014 um ano que será regido por Oxóssi e  Xangô será de justiça. O comprometimento com a verdade é essencial para o novo ano que vem chegando, porque a justiça divina será implacável. Cuidado com o seu julgamento para com o próximo...olhe para você antes de julgar alguém...
Será um ano de crescimento, para aquele que andar no caminho do bem. Boa conduta, bons pensamentos, ajudar ao próximo e aquela velha história de fazer o bem sem olhar a quem são peça chave para o próximo ano que vem chegando. 
Ano que na soma de seus números, chegamos ao numero 7. Como explica meu amigo Pryom :


A VIBRAÇÃO DO ANO UNIVERSAL SETE

Cada um deverá buscar o equilíbrio para responder individualmente pelos seus atos. Neste ano não adiantará tentar culpar o outro pelos erros que nós mesmos cometemos durante a vida. Por conta disto o egoísmo, o orgulho e a irreflexão farão refém os mais intencionados. Para encontrar a harmonia em 2014 será necessário exercitar a humildade, autocrítica e tentar adquirir uma dose de bom-senso - 
- See more at: http://meumestreinterior.blogspot.com/2013/12/a-numerologia-e-o-ano-pessoal.html#sthash.CqHqTMPU.dpuf


Por isso, em 2014 temos que buscar sermos melhor do que já somos. HUMILDADE é a palavra chave  para termos um ano bom e muito mais para nosso crescimento espiritual. Devemos buscar a Deus em todos os momentos e não nos momentos de maior dificuldade. Devemos SIM dar ouvidos e atenção ao que nos ensinam nossos Orixás...eles são pais, só querem nosso bem. Se aprendermos a levar Deus em nossos corações, automaticamente aprenderemos a ser melhores uns com os outros. Se seguirmos os ensinamentos de Deus jamais vamos fazer mal ao próximo, porque não é o que queremos para nós!
Vamos aproveitar o final do ano para meditar e colocar na balança como foi o nosso ano. Se realmente fomos merecedores de tudo que nos passou. O que devemos levar para o próximo ano e o que nos serviu de aprendizado. 
Lembrem-se sempre, estamos aqui na terra de passagem e viemos para nossa evolução espiritual. Vamos buscar o aprendizado para o nosso melhor, para fazer o bem. A vida passa rápido demais, vamos em busca da nossa real felicidade, da liberdade, do amor. São sentimentos tão nobres e tão lindos que valem muito a pena serem vividos. Tenho certeza que a partir do momentos que você experimentar de verdade qualquer um destes sentimentos, sua vida terá um sentido completamente diferente do que a que você vem tendo...experimente, se jogue, não tenha medo de viver...vamos fazer com que 2014 seja um ano diferente para nós e para aqueles que nos rodeiam...

E ainda no Axé de minha mãe Iemanjá, deixo um poema que na minha opinião é um dos mais lindos...na voz desta grande interprete e mulher do Ilê Maria Bethânea

"Mar sonoro, Mar sem fundo, Mar sem fim,
A tua beleza aumenta quando estamos sós;
E tão fundo, intimamente,
A tua voz segue o mais secreto bailar do meu sonho;
Que momentos há em que eu suponho;
Seres um milagre criado só pra mim"